domingo, 28 de outubro de 2012


Saudade do que nunca vai voltar E dos amigos que se foram Eu hoje estou com saudade Na noite quente e no calor Que sobe do asfalto Saudade quente Saudade da roda de cerveja Dos amigos da madruga e Saudade de nadar no mar E um dia ter sido mais puro Saudade da primeira namorada Saudade, principalmente Da irresponsabilidade (...)
"Não foi à toa que Adélia Prado disse que 'erótica é a alma'. Enganam-se aqueles que pensam que erótico é o corpo. O corpo só é erótico pelos mundos que andam nele. A erótica não caminha segundo as direções da carne. Ela vive nos interstícios das palavras. Não existe amor que resista a um corpo vazio de fantasias. Um corpo vazio de fantasias é um instrumento mudo, do qual não sai melodia alguma. Por isso, Nietzsche disse que só existe uma pergunta a ser feita quando se pretende casar: 'continuarei a ter prazer em conversar com esta pessoa daqui a 30 anos?” - Rubem Alves

terça-feira, 2 de novembro de 2010

COMO ELA SOUBE TANTO DE MIM???

Eu...por Clarisse

Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo, já perdi um AMOR por escondê-lo.

Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.

Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso.

Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.

Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.

Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.

Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.

Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.

Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.

Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.

Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.

Já tive crises de riso quando não podia.

Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.

Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.

Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.

Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.

Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.

Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.

Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.

Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade... Já tive medo
do escuro, hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali".

Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.

Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.

Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.

Já chamei pela mamãe no meio da noite fugindo de um pesadelo. Mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda.

Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram...
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão
especiais para mim.

Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.

Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!

Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!

Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.

Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!

Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas
mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais
complexos, dos sentimentos mais fortes.

Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.

Você pode até me empurrar de um penhasco q eu vou dizer:

- E daí? EU ADORO VOAR!
Clarice Lispector

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

LER - Luis Fernando Veríssimo

Ler
(Luís Fernando Veríssimo)

Ler é o melhor remédio
Leia jornal
Leia Outdoor
Leia letreiros da estação de trem
Leia os preços do supermercado
Leia alguém!

Ler é a maior comédia!
Leia etiqueta jeans
Leia histórias em quadrinhos
Leia a continha do bar
Leia a bula do remédio
Leia a página do ano passado
Perdida no canto da pia
enrolada com chuchus
Leia a vida!

Leia os olhos, leia as mãos
Os lábios e os desejos das pessoas
Leia a inspiração que ocorre ou não
Entre Física, Geografia, Informática,
trabalho, miséria e chateação.

Leia as impossibilidades
Leia ainda mais as esperanças
Leia o que lhe der na telha
Mas leia, e as ideias virão!

Paródia - Yanne (Homenagem cursistas GESTAR II)

Yanne

Já tive mil cursos
com várias Yannes
Que eram um crânio
E outros nem tanto

Como outras até
Foram um sol num saber
Então o GESTAR
Nos trouxe você

Yanne cabeça
E muito equilibrada
Mulher que reluz
De ouro e brilhante
E nesse GESTAR
Contei com você
Pessoa importante.

Homenagem de:

Antônia Zildete
Geruza
Auriluce
Juveni Fernandes
Joana D'arc


A todos da turma do GESTAR II - Muito Obrigada!!!

domingo, 28 de março de 2010